Tire todas as suas dúvidas sobre o Ginkgo biloba

ginkgo biloba

Conhecida por oferecer diversos benefícios para a saúde e auxiliar no tratamento de doenças durante séculos, o Ginkgo biloba tem ganhado credibilidade com boa parte da população mundial, atraindo cada vez mais adeptos.

Inicialmente, seus efeitos positivos foram explorados pela medicina oriental, porém, com o tempo, o Ginkgo foi sendo disseminado para outros países, incluindo o Brasil, onde também tem sido amplamente utilizado.

No entanto, apesar de ser um composto natural e contribuir de diversas maneiras para a melhora da saúde, o Ginkgo biloba não está isento de contraindicações e efeitos colaterais. Por isso, neste artigo separamos informações importantes para você conhecer essa planta e suas aplicações. Continue lendo!

1. Afinal, o que é o Ginkgo biloba?

O Ginkgo biloba é uma árvore de origem chinesa classificada como caducifólia, pois perde as suas folhas durante o inverno. Seu crescimento é lento, o que possibilita a ela atingir cerca de 40 a 50 metros de altura, com uma circunferência de tronco que pode chegar a 4 metros de largura. É uma planta que apresenta longevidade, pois pode viver mais de 1 mil anos, dependendo das condições de cultivo.

Sua copa é composta por folhas de coloração verde-claro e em formato bilobado — isto é, apresenta partes com recorte levemente acentuado, semelhantes a pequenos leques —, que tendem a ficar amareladas ao longo do outono.

Produz frutos de cor amarelo-acastanhado quando maduros, que são na verdade pseudofrutos, ou frutos falsos. São compostos por uma polpa carnuda responsável por proteger as sementes à medida que elas amadurecem. Mas não se engane, pois a polpa é tóxica e, por isso, não deve ser consumida.

No entanto, se a polpa for retirada, poderá obter-se a semente de cor branca e casca dura. O interior dessa casca contém a parte comestível de sabor amargo e aroma forte, muito utilizada nos cardápios da China e Japão.

A descoberta da árvore Ginkgo biloba aconteceu em meados de 1690, que foi quando um médico alemão, chamado Kaempfer, relatou sua existência pela primeira vez.

Porém, suas propriedades só foram despertar interesse para uso medicinal em 1945, quando perceberam que ela tinha conseguido sobreviver à radiação causada pela explosão da bomba atômica em Hiroshima. Visto que, logo após a destruição do local, o Ginkgo biloba foi a primeira planta a brotar no solo, ele tem sido um símbolo de paz e longevidade no Japão.

Amplamente utilizado na medicina chinesa, hoje ele pode ser encontrado em diversos locais do mundo, inclusive no Brasil. Estudos científicos demonstraram que o Ginkgo apresenta inúmeros benefícios, que acarretaram o seu uso em praticamente todos os continentes.

Suas folhas contêm princípios ativos que são excelentes antioxidantes, como os terpenoides e os flavonoides. Ambos, além de ajudarem na vasodilatação, melhoram a circulação sanguínea, combatem os radicais livres, evitam o envelhecimento, protegem as células nervosas e o músculo cardíaco.

Além disso, o extrato da planta é indicado para pessoas com problemas de vertigem, concentração, memória, entre outros.

2. Quais são seus benefícios?

O Ginkgo biloba é visto como uma planta poderosa, pois suas propriedades proporcionam diversos benefícios para nossa saúde, como:

  • redução da viscosidade sanguínea;
  • bloqueio da formação de coágulos e da agregação plaquetária;
  • diminuição dos níveis de colesterol;
  • melhor absorção da glicose;
  • proteção contra substâncias carcinogênicas;
  • efeito neuroprotetor;
  • recuperação de transtornos de equilíbrio;
  • aumento das funções cognitivas.
  • proteção contra danos oxidativos;

Fora esses benefícios, separamos a seguir inúmeras vantagens que o uso do extrato de Ginkgo biloba pode oferecer para o organismo. Confira:

Para a circulação sanguínea

O Ginkgo tem ação na vasodilatação arterial, que favorece a circulação periférica e central do organismo humano, dilatando as paredes dos vasos sanguíneos e melhorando a irrigação dos tecidos.

Essa característica possibilita minimizar a sensação de que os pés e pernas estão inchados, diminuindo o risco de trombose e doenças do sistema circulatório, sendo recomendada para tratamento de varizes e celulite. Além disso, ela proporciona um maior fluxo de sangue para o cérebro e o coração, prevenindo a ocorrência de infarto e AVC (Acidente Vascular Cerebral).

Para a memória

O uso do Ginkgo aumenta significativamente a memória, a concentração e a capacidade cognitiva das pessoas com estágio iniciais de Alzheimer e indivíduos saudáveis, proporcionando maior atenção, especialmente para os idosos e para quem está no trabalho ou escola e terá que realizar alguma prova.

Isso acontece devido à capacidade que a planta tem de estimular a circulação sanguínea, dilatando os vasos e deixando o sangue menos viscoso. Dessa forma, o sangue flui com mais facilidade e melhora a oxigenação das células. Essa condição faz com que o cérebro, responsável pela atenção, raciocínio e memória, fique mais ativo e capte a mensagem com mais facilidade, proporcionando um efeito neuroprotetor.

Além disso, para quem sofre de labirintite e seus efeitos, como zumbidos, tonturas e vertigem, a planta também é indicada. Seu efeito dilatador faz com que a estrutura interna do ouvido, conhecida como labirinto, passe a ser mais oxigenada e irrigada, o que, consequentemente, ajuda a minimizar ou eliminar esses sintomas.

Para os neurônios

Com o envelhecimento, o acúmulo de radicais livres pode causar mudanças no cérebro e prejudicar os neurônios. Por ter propriedades antioxidantes, o Ginkgo biloba melhora o fluxo de oxigênio para os tecidos e reduz consideravelmente a liberação de radicais livres, o que promove a saúde neurológica.

Para o tratamento da depressão e estresse

O desgaste dos receptores dos neurônios pode diminuir os níveis de serotonina e noradrenalina no cérebro, podendo causar depressão, alteração de humor e estresse. A ação antioxidante proporcionada pelo Ginkgo biloba ajuda a evitar esse desgaste e mantém a quantidade ideal desses transmissores no organismo.

Para a pressão arterial

Por essa planta apresentar propriedades vasodilatadoras e circulatórias, ocorre uma redução da resistência periférica dos vasos sanguíneos. Isso resulta na diminuição da pressão arterial, o que reduz o risco de ocorre um AVC.

Para o aumento da libido

O Ginkgo biloba, utilizado em longo prazo, pode contribuir com o aumento da libido, pelo fato de que a planta contém antioxidantes e flavonoides, que colaboram com a produção do óxido nítrico  no organismo.

Este, por sua vez, tem a função de relaxar a musculatura próxima dos vasos sanguíneos e originar a vasodilatação, que aumenta a velocidade do fluxo de sangue para todo o corpo, inclusive para os órgãos sexuais.

Para os homens, esse processo possibilita uma maior quantidade de sangue para o pênis, o que facilita a ereção e contribui para o tratamento da impotência. Já para as mulheres, o aumento da circulação sanguínea pode proporcionar maior lubrificação vaginal e melhor vascularização do clitóris.

Para a TPM

Muitas mulheres sofrem com a tensão pré-menstrual (TPM) e as terríveis cólicas, mas o que poucas sabem é que o uso contínuo do Ginkgo biloba pode ajudar a aliviar os sintomas que tanto incomodam durante esse período. Ela reduz o inchaço dos seios e, devido à ação terapêutica da planta em dilatar os vasos, auxilia no controle das cólicas.

Para o alívio das dores nos braços e nas pernas

Esse benefício é sentido no uso do Ginkgo porque a planta tem propriedades que relaxam as musculaturas e promovem a dilatação dos vasos sanguíneos, minimizando as dores nos membros.

Como ela ativa a circulação sanguínea, o fluxo é melhorado para as extremidades do corpo, minimizando os desconfortos e sintomas que a falta de oxigenação nas células ocasiona.

Para a saúde ocular

Além de danificar as células do corpo, o acúmulo de radicais livres pode causar danos nos componentes oculares e originar doenças oftalmológicas, principalmente o glaucoma e a catarata.

As propriedades antioxidantes da planta têm capacidade de prevenir ou retardar esses problemas, pois elas diminuem e regulam a formação dos radicais livres no organismo.

Para a perda de peso

Apesar de ainda não haver nenhum estudo que comprove que o uso do extrato de Ginkgo biloba ajuda no emagrecimento, muitos pesquisadores teorizam que certas propriedades da planta podem contribuir para a dieta.

Uma delas seria a presença de terpenoides em sua composição química. A ação dessa substância, quando comparada com os efeitos dos exercícios aeróbicos, demonstra que o estímulo para o fluxo sanguíneo é o mesmo em ambos, mas com intensidades diferentes.

Outra substância que seria benéfica é um flavonoide chamado epigalocatequina-galato (EGCG), que também pode ser encontrado no chá-verde — de que é cientificamente comprovada a propriedade de acelerar e estimular o metabolismo, auxiliando na perda de peso.

Mas, apesar de todos esses benefícios, é essencial estar atento também para os possíveis efeitos colaterais do Ginkgo biloba, que você verá a seguir.

3. Quais os efeitos colaterais?

Apesar de baixa ocorrência e mesmo apresentando uma variação significativa de benefícios, o Ginkgo biloba pode causar efeitos colaterais, que, quando aparecem, costumam se manifestar como:

  • dor de cabeça e enxaqueca, devido à dilatação dos vasos sanguíneos;
  • alergias e irritações na pele;
  • queda de pressão arterial em pessoas com predisposição;
  • distúrbios gastrointestinais, diarreia, enjoos e desconforto abdominal;
  • sangramentos;
  • danos hepáticos, sobrecarregando o fígado e rins;
  • palpitações, tonturas e constipação.

Por essa razão, recomenda-se fazer o uso da planta sempre com orientação de um especialista, principalmente para pessoas que apresentem predisposição para problemas de saúde ou que façam parte de algum grupo de risco.

CTA Ginkgo Biloba

4. Quais doenças o Ginkgo biloba previne?

Além de tantos benefícios já citados, seu consumo associado com hábitos de uma vida saudável previne uma série de doenças, tais como:

Demência, mal de Alzheimer e perda de memória

demência é a perda ou redução avançada das capacidades cognitivas, afetando as funções cerebrais, principalmente a atenção, a memória, o raciocínio, a linguagem e o aprendizado.

Um estudo publicado na Revista Internacional de Psiquiatria Geriátrica mostrou que a utilização do extrato do Ginkgo biloba em dose única de 240 mg diariamente teve resultados significativos no tratamento de indivíduos com demência. Esse fato é devido ao efeito de aumento do fluxo sanguíneo para o cérebro e proteção das células.

O mesmo vale para quem sofre levemente de Alzheimer e perda de memória, já que a doença é a forma mais comum de demência. No entanto, em alguns estudos, verificou-se que a planta tem efeito somente preventivo, mas sendo capaz de curar as pessoas que já sofre dessa doença.

Formação de trombose

As plaquetas são componentes do sangue responsáveis por parar um sangramento, ao se aglomerar formando coágulos. No entanto, quando as plaquetas se unem intensamente, podem ocorrer agregações plaquetárias, aumentando o risco de formação de trombos, o que caracterizaria o quadro de trombose.

Nesse caso, o Ginkgo biloba atua controlando o fator de ativação plaquetária, prevenindo a formação de trombose e contribuindo para a redução da viscosidade do sangue.

Degeneração macular

A degeneração macular é uma doença que atinge e danifica a mácula e a área central da retina, resultando em visão turva ou perda da nitidez. O uso contínuo da planta ajuda a prevenir o acúmulo de radicais livres que causam problemas oculares como esta.

Síndrome de Raynaud

Acontece quando as extremidades do corpo são expostas a baixas temperaturas ou submetidas ao estresse, afetando o fluxo sanguíneo e reduzindo o fornecimento de oxigênio para os pés, mãos, dedos, orelhas e nariz, deixando a pele fria, empalidecida e dormente.

Assim, o efeito vasodilatador da planta faz com que o fluxo de sangue retorne para as áreas afetadas, normalizando a cor da pele e atuando de forma preventiva.

Isquemia cerebral

A isquemia cerebral ocorre quando há uma obstrução arterial ou rompimento de vasos sanguíneos, impedindo a passagem de sangue e oxigênio para o cérebro.

Por ter ação neuroprotetora e inibir a produção de radicais livres, o Ginkgo biloba atua como um agente terapêutico ou preventivo nos episódios isquêmicos.

Mal de Parkinson

O Mal de Parkinson é uma doença degenerativa originada pela diminuição ou falta de dopamina no cérebro, causando sintomas como rigidez entre as articulações, tremores e lentidão motora.

Apesar de atualmente ainda não haver recursos disponíveis para prevenir a doença, os sintomas podem ser tratados. Como alternativa adjuvante a outros tratamentos, o consumo do extrato de Ginkgo biloba pode ser benéfico para a redução desses sintomas, pois a planta apresenta ação antioxidante que pode diminuir a progressão da doença.

Além disso, ela aumenta o transporte de sangue para o cérebro, fazendo com que a dopamina seja distribuída mais facilmente e permaneça circulando por mais tempo.

Câncer no ovário e mama

O câncer é uma doença em que as células se multiplicam desordenadamente, invadindo e destruindo tecidos e órgãos do corpo. Um estudo realizado por especialistas do Hospital Obstetrícia e Ginecologia Epidemiológica associado à Escola Médica da Universidade de Harvard, nos EUA, mostrou que as mulheres que ingeriram extrato de Ginkgo biloba diariamente tiveram a incidência de tumores de ovário 60% menor.

Outras pesquisas indicaram que o desenvolvimento agressivo de tumores de mama pode ser inibido por meio da ingestão do extrato das folhas da planta. A partir desse dado, pesquisadores pressupõem que o Ginkgo biloba esteja relacionado à capacidade do organismo de causar a destruição das células defeituosas.

Além disso, a planta tem, entre as suas propriedades, substâncias antioxidantes, que atuam combatendo os radicais livres, que, em excesso, podem deteriorar as células sadias e favorecer o surgimento de doenças, como o câncer.

Doença de Lyme

É uma doença infecciosa transmitida pela picada de um carrapato, conhecido como carrapato-estrela, que esteja infectado pela bactéria Borrelia burgdorferi. O problema causa sintomas como dor nas articulações, inchaço e vermelhidão na região e erupção, conhecida como eritema migrans.

O uso do ginkgo diariamente é muito eficaz no alívio dos sintomas causados pela infecção, devido ao fato de que a planta contém os já citados antioxidantes em sua composição, terpenoides e flavonoides. Estes, por sua vez, auxiliam o sistema imunológico a produzir anticorpos para combater a infecção bacteriana.

Vitiligo

É uma doença degenerativa caracterizada pela diminuição ou falta de melanina, que causa a despigmentação da pele e deixa manchas esbranquiçadas em todo o corpo.

O mecanismo de ação do Ginkgo biloba faz com que as suas propriedades antioxidantes e imunomoduladoras causem um efeito significativo no processo de estresse oxidativo relacionado ao vitiligo. Dessa forma, a planta contribui por cessar a progressão da doença e ajuda a combater os radicais livres, promovendo a prevenção.

Claudicação intermitente

É uma condição que se caracteriza pela sensação dolorosa, como câimbras, nas pernas, normalmente nas panturrilhas, pés, nádegas ou coxas. Essas dores se tornam mais intensas durante a prática de exercícios físicos ou caminhada, fazendo com que o indivíduo seja obrigado a parar.

A claudicação se dá quando há uma insuficiência circulatória do fluxo sanguíneo causada pelo estreitamento ou obstrução das artérias dos membros inferiores. Sendo um vasodilatador e estimulante circulatório, o Ginkgo biloba contribui para o aumento do fluxo sanguíneo, ajudando a melhorar as dores nas pernas.

5. Quais cuidados deve-se ter ao consumir?

O consumo do Ginkgo biloba deve ser feito com cuidado, já que há possibilidade de ocasionar reações adversas, interações medicamentosas e contraindicações.

O seu consumo não deve ser feito em conjunto com produtos derivados de salgueiro, como o ácido acetil salicílico (AAS), e à base de alho, pois pode aumentar o risco de efeitos colaterais e o seu potencial de ação, causando irritação da mucosa gástrica.

Sua interação com medicamentos anticoagulantes e antiplaquetários afina o sangue, aumentando o risco de uma hemorragia, principalmente em indivíduos que vão passar por alguma cirurgia. Assim, o consumo do Ginkgo deve ser suspenso pelo menos duas semanas antes das intervenções cirúrgicas.

Também não deve ser usado em associação com fármacos como a varfarina, antidepressivos, anticonvulsivos e diuréticos, pois esses medicamentos, além de potencializar o efeito da planta, em uso conjunto, podem causar dor de cabeça e problemas mais graves.

Além disso, o uso do Ginkgo biloba é contraindicado para pessoas com hipersensibilidade à planta, pois pode causar efeitos desagradáveis, como reações alérgicas.

Do mesmo modo, não é recomendado para pacientes hemofílicos, por tornar o sangue mais fino, afetando a coagulação sanguínea, bem como para mulheres que estejam grávidas ou durante a lactação e crianças menores de 12 anos.

6. Como utilizar?

O Ginkgo biloba pode ser encontrado na forma de cápsulas, pó, extratos líquidos ou em folhas para chá. Apesar dessa diversidade, a maior parte dos consumidores prefere as cápsulas, pois, além de ser uma maneira mais fácil de transportar e consumir, evita sentir o sabor da planta.

A dose diária vai depender da avaliação clínica e da situação relatada pelo paciente, devendo ser recomendada de acordo com os critérios do médico, lembrando que o uso do extrato da planta na forma escolhida precisa ser contínuo para garantir os efeitos benéficos e alcançar os resultados esperados.

7. Onde encontrar para comprar?

Por ser um produto natural, o extrato do Ginkgo biloba pode ser encontrado em lojas de suplementos online, farmácias, lojas de produtos naturais e nas farmácias de manipulação, que poderão formular o extrato de acordo com a dose recomendada pelo especialista.

Vale ressaltar que o uso do produto não dispensa os tratamentos convencionais. Além disso, para quem deseja iniciar o consumo do extrato da planta de maneira segura e eficaz, deve procurar um médico ou farmacêutico de sua confiança, pois assim poderá expor a situação e ele orientará a opção mais adequada para você.

Mesmo que o extrato seja um produto natural, como descrito no decorrer do texto, o uso indiscriminado do fitoterápico pode causar efeitos colaterais sérios. No entanto, quando associado à hábitos de uma vida saudável e inserido na rotina diária, o Ginkgo biloba traz inúmeros benefícios para a saúde e resultados satisfatórios, proporcionando bem-estar e melhora na qualidade de vida.

Agora que você já sabe que essa planta pode proporcionar benefícios interessantes e trazer melhorias para a saúde, que tal começar a usufruir dessas vantagens? Entre em contato conosco e saiba como adquiri-la ainda hoje!

Baixar Ebook Colesterol

por Fernanda Satlher

Diretora da BS Pharma, ciclista, mãe e adora escrever artigos. Farmacêutica industrial graduada pela UFMG com 22 anos de experiência e pós-graduada em Farmácia Magistral Pela UNESP- Araraquara. Gestora de projetos pelo IBMEC - MG.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *